Amigo ou inimigo? Erros comuns no uso do cartão de crédito

Na maior parte do tempo o cartão de crédito é, certamente, o seu melhor amigo. Ele é companheiro e vai a todos os lugares! Você consegue fazer suas compras aqui e ali, em longo prazo, no shopping, no restaurante, na feira… O crédito está ali, disponível o mês inteiro! No primeiro momento nada acontece, a não ser a satisfação de fazer as compras. Porém, no início do mês seguinte, quando a fatura chega, o grande amigo se transforma em um baita de um vilão.

Essa é uma realidade para milhões de brasileiros em todo o país. Muitas pessoas já estão, inclusive, com o nome sujo na praça por não conseguirem pagar a fatura do cartão de crédito. Parece inofensivo quando estamos lá fazendo uma compra, depois mais uma com valores baixos, depois outra comprinha… quando o total é somado, como já dizia o ditado popular “o buraco é mais embaixo”.

E como fazer?

Há algumas maneiras de melhorar essa situação e fazer com que o cartão de crédito seja apenas um grande amigo de momentos difíceis e nunca um vilão. Para isso é preciso conhecer quais são os principais erros que as pessoas cometem ao utilizar essa forma de pagamento.

Cinco erros na hora de usar o cartão de crédito que você não pode cometer:

O pagamento da parcela mínima é um erro grave que vai custar caro já nos meses seguintes. Parece até um ato de bondade das operadoras quando oferecem um valor mínimo para pagamento, mas não se engane: pagar só aquele pouquinho custa uma quantidade de juros absurda. E qual é o resultado disso? Lógico, o famoso efeito bola de neve. A fatura no mês seguinte chegará ainda maior e você não saberá como pagar esse valor.

A liberdade de poder comprar quanto quiser, mesmo sem dinheiro em mãos, é uma grande armadilha do cartão de crédito. As taxas de juros dos cartões de crédito, no Brasil, são as maiores do mundo. São vários tipos de taxas e, uma pequena escorregada da sua parte, pode significar o total descontrole do seu dinheiro que vai acabar todo em uma fatura do cartão de crédito. Ninguém merece isso, concorda?

Acumular cartões de crédito é outro sério problema que vai trazer muitas dores de cabeça. Isso é quase uma lei da vida que nunca falha: quando um cartão está com o limite estourado, você começa a usar o outro, e assim vai. E quando as faturas chegam, o que acontece? O total está pra lá de fora da sua realidade e não há como fazer todos os pagamentos.

Você não pode fazer do cartão de crédito uma renda extra. Esse erro é extremamente comum – e também um dos principais – que faz com que as pessoas percam o controle em relação ao cartão de crédito. Sair comprando itens com altos valores achando que a conta não vai chegar é um problemão. O cartão de crédito não é uma fonte de renda extra para o seu bolso, pois será preciso quitar cada centavo gasto.

Aquelas compras com longos parcelamentos também podem prejudicar muito, sabia? Quanto maior o número de parcelas, maior é a taxa de juros envolvida na operação. Todos nós temos a sensação de que dividir em muitas parcelas e diminuir o valor delas é uma vantagem, parece que estamos pagando menos do que deveríamos. Errado! A verdade é outra e bem cruel: os juros são altos, muitas vezes, abusivos, e isso acaba com a organização financeira.

Empréstimo entre pessoas físicas

Para quitar a dívida do cartão, é possível obter um empréstimo entre pessoas físicas, com taxas de juros menores. O Bullla oferece empréstimo online com taxas de juros mais justas, sem burocracia e com total transparência. E tudo funciona de forma simples: o Bom Pagador solicita um empréstimo e o Bom Poupador disponibiliza o dinheiro. Todo esse processo é realizado entre pessoas físicas e com o Bullla garantindo toda a operação.

Para mais informações acesse www.bullla.com.br.