Como a inflação afeta sua relação cotidiana com o dinheiro?

O aumento dos preços é resultado direto da lei de oferta e demanda.

Um problema que fez parte da vida dos brasileiros nos anos 90 foi a inflação. Com altas variações nos preços de diversos produtos era bastante comum comprar um item pela manhã e mais tarde encontrá-lo custando mais que o dobro do valor. Essa é a principal consequência da inflação: o aumento contínuo e desenfreado dos preços de bens e serviços de toda a matriz econômica de um país.

Com isso, a inflação é justamente a consequência direta da desvalorização de uma moeda, o que resulta na multiplicação repentina de preços de bens e serviços. O aumento dos preços é resultado direto da lei de oferta e demanda. Isto é, uma vez que os consumidores possuem mais recursos em mãos, tendo em vista a maior circulação de dinheiro na economia, então, a tendência natural é que os preços comecem a subir.

Quais os efeitos da inflação no dia a dia?

Ao longo do tempo os problemas gerados pela alta dos preços fazem com que a moeda seja desvalorizada. Ou seja, o grande efeito causado na vida dos consumidores é, sem sombra de dúvidas, a perda do poder de compra. Portanto, se reajustes salariais não forem realizados considerando os efeitos da inflação, é muito provável que o consumidor fique com poucos recursos e perca boa parte do poder de compra, mesmo com um aumento do salário.

A inflação também pode trazer efeitos negativos para investidores e poupadores. Um exemplo simples é aplicação de dinheiro de forma a garantir uma remuneração mensal, por exemplo. Se a taxa de retorno não acompanha a inflação, ou seja, possui uma taxa igual ou, até mesmo, superior à inflação, então mesmo com os retornos o poupador estará perdendo dinheiro.

As altas inesperadas no valor de bens e serviços têm um impacto ainda maior nos menos favorecidos. Uma vez que os aumentos foram registrados, é preciso cortar despesas desnecessárias e refazer o orçamento mensal. Porém, o orçamento financeiro das famílias mais pobres já é bastante reduzido e todo o dinheiro é gasto praticamente naquilo que é considerado indispensável. Portanto, o corte irá atingir itens importantes, resultando num impacto negativo no padrão de vida das pessoas.

Como a alta nos preços diminuírá a demanda e irá dificultar a realização de novos projetos, a inflação também traz consigo uma baixa no número de investimentos. A queda dos investimentos e da entrada de receitas nas empresas também resulta na demissão de funcionários e menos vagas de trabalho disponíveis no mercado e, consequentemente, a taxa de pessoas desempregadas começa a disparar.

Reserva financeira

Em cenários de crise é sempre importante ter em mãos um capital reserva para conseguir manter-se. No entanto, nem todas as pessoas possuem uma educação financeira elevada para prevenir-se de tal maneira. No entanto, existe uma forma muito simples de conseguir um dinheiro que é por meio de um empréstimo.

Para ficar longe das altas taxas e condições de pagamento que comprometem ainda mais o orçamento é importante optar por um empréstimo que disponha de taxas mais baixas. O Bullla é uma fintech que tem como principal objetivo conectar pessoas físicas por meio da intermediação de empréstimos online.

No Bullla, o tomador de empréstimo encontra crédito justo, humano e sem precisar ter que lidar com instituições financeiras tradicionais, como os bancos. O melhor de tudo é que todo o processo – desde a solicitação do empréstimo até o depósito do dinheiro na conta do tomador – é online. Com isso, quem está pegando dinheiro emprestado não precisa sair de casa, agendar horários, enfrentar filas e burocracia. Com taxas justas e uma plataforma com serviços desenvolvidos sob o conceito de comunidade o Bullla destaca-se por sempre priorizar o tomador.

Para mais detalhes basta acessar aqui.