Dicas para montar um orçamento familiar e pagar seu empréstimo em dia

É ideal que todos da família participem ativamente do processo. A concretização dos objetivos comuns depende do esforço e da colaboração de cada um.

Equilibrar as finanças para pagá-las em dia é uma preocupação de muitas pessoas. A primeira, e melhor iniciativa para garantir a quitação de uma dívida, seja ela de curto, médio ou longo prazo, é elaboração de um orçamento financeiro.

O documento nada mais é do que um planejamento dos gastos em relação à renda, em especial a familiar, isto é, controlar entradas e saídas do dinheiro. O seu principal objetivo é manter a economia doméstica estável, de modo a honrar os compromissos assumidos e, ainda sobrar dinheiro para investir em alguns sonhos.

As vantagens desse planejamento são inúmeras, dentre elas, gestão consciente dos recursos familiares, diminuição das ansiedades e preocupações financeiras, aumento do diálogo e senso de cooperação entre os membros da família, entre muitas outras.

Algumas dicas para preparar o orçamento familiar são fundamentais. Veja como fazer:

1 – Envolver a família e distribuir responsabilidades

O passo inicial é garantir que todos da família participem ativamente do processo. Essa etapa é de absoluta relevância pois, no planejamento devem constar todas (sem exceção) as entradas e saídas de dinheiro. É importante lembrar que a concretização dos objetivos comuns depende do esforço e da colaboração de cada um.

Até mesmo as crianças devem ser envolvidas, visto que as pequenas ações (como não desperdiçar água, energia, alimento etc.) fazem uma grande diferença nas contas do final do mês. Incluir os filhos também colabora para que, desde cedo, adquiram noções de educação financeira e, consequentemente, tornem-se adultos mais conscientes em relação ao uso do dinheiro.

2 – Registrar todas as transações financeiras

Passe o primeiro mês anotando absolutamente todas as receitas e despesas da casa. Para tanto, inclua integralmente as fontes de renda da família, isto é, faça uma somatória de todos os salários, bem como, dos pagamentos de trabalhos avulsos que, porventura, foram recebidos.

Insira também o quanto foi gasto durante o mês. Não negligencie os desembolsos considerados insignificantes, pois, quando somados, eles provocam uma mudança significativa no orçamento. Anote tudo: o cafezinho, a bala que comprou na padaria para o filho, o doce de um final de tarde, o trocadinho que deu para o guardador de carros, entre outras ações.

Você pode escolher entre fazer isso no papel, criar um livro de registro, construir uma planilha no computador ou aplicativos de celular. O meio não importa muito, o essencial é que ele possibilite que você tenha clareza sobre as transações financeiras mensais da família. Lembre-se de atualizar, ao menos uma vez por dia, para não esquecer nada!

3 – Categorizar as despesas

Após anotar tudo, a próxima etapa é efetuar uma análise um pouco mais detalhada dessas informações. Somente assim será possível perceber quais são os verdadeiros vilões e heróis do orçamento doméstico.

A sugestão para simplificar essa interpretação dos dados ali colocados é separar cada um dos gastos por categorias, tais como: saúde, educação, moradia, água, energia elétrica, transporte, alimentação, lazer e itens pessoais. Essas são apenas algumas sugestões e, certamente, você está livre para mudá-las de acordo com a sua realidade.

Outra dica importante é separar as despesas fixas das variáveis. As primeiras referem-se às contas permanentes, que são aquelas que se repetem mês a mês – inclusive as parcelas de uma compra no cartão de crédito ou de um empréstimo também devem ser consideradas até a quitação total. Já as variáveis são os gastos eventuais como, por exemplo, um jantar especial, uma viagem ou um presente.

4 – Identificar as verdadeiras necessidades da família

O apelo para o consumo é realmente muito forte e, muitas vezes, sem nos darmos conta, acabamos comprando itens supérfluos, que não respondem às nossas verdadeiras necessidades. Para evitar compras impulsivas, vale a pena pensar um pouco mais antes de adquirir qualquer tipo de produto. Fazer uma pesquisa de preços antes de qualquer compra também é uma ótima iniciativa.

Com a colaboração de todos os membros da família, torna-se possível compreender o que está deixando o orçamento apertado e reconhecer quais os gastos podem ser cortados sem prejuízo às necessidades de cada um. Por meio do controle financeiro doméstico torna-se viável cumprir com todos os deveres, bem como traçar planos para o futuro e realizar os sonhos familiares.

Mantenha as contas em dia

Além de empréstimos com as melhores taxas do mercado, no Bullla os bons pagadores ainda recebem outras vantagens. A ideia é bem simples: ao requisitar um empréstimo, o Bullla efetua uma avaliação de seu comportamento no mercado para gerar uma nota de crédito.

Se você costuma estar com suas contas em dia, sua nota será maior, o que significa que está habilitado para efetuar negociações diretas e definir valores, prazos e condições condizentes com aquilo que procura. Saiba mais aqui.