Motivos para começar a poupar cedo

É importante lembrar que, mesmo que os pais possuam uma boa situação financeira que permita pagar pelos desejos dos filhos, é essencial criar essa consciência de que o dinheiro deve ser administrado para obter resultados positivos.

No Brasil cerca de 40% da população adulta é inadimplente. Quais seriam as causas desse número tão elevado? São várias as justificativas para esse dado, porém devemos ir mais a fundo na questão: esses adultos foram educados desde a infância para se tornarem financeiramente conscientes?

A psicologia nos ensina que um adulto é resultado de tudo que viu, ouviu e viveu na infância, principalmente no que é chamado de “primeira infância” (os primeiros seis anos); é nessa fase que se forma o caráter, a personalidade, o modo de agir etc., porém os anos seguintes da infância também são importantes para a forma de pensar (e funcionam também como uma espécie de “confirmação” do que já foi aprendido pela criança nos anos anteriores).

Sabendo disso, muitos pais e mães se preocupam em ensinar valores para seus filhos, deixando a educação financeira para a vida adulta, afinal, será lá que as finanças serão desenvolvidas e se tornará necessário esse conhecimento, certo? Bem, a vida adulta pode ser o momento das taxas, percentuais, fórmulas e bolsa de valores, porém a formação da mentalidade financeira data de muito antes disso.

É fundamental que a educação financeira seja iniciada desde a infância por duas razões:

1) Se a criança for ensinada desde cedo sobre o valor do dinheiro, a importância da poupança e os malefícios de não possuir recursos para adquirir um bem, essa forma de pensar será levada para a vida adulta pois já estará internalizada em sua personalidade;

2) Quanto antes essa mentalidade for desenvolvida, previamente será apresentada aos investimentos financeiros. Quanto mais cedo alguém começa a investir, maiores serão os seus ganhos, pois será beneficiada pela ação dos juros compostos.

Com isso em mente, é possível incluir no dia a dia da criança alguns princípios que formarão sua mentalidade financeira:

Reserva de emergência

Esse termo não precisa ser apresentado para a criança, porém a sua essência é muito importante. Trata-se de uma reserva financeira para situações de emergência, ou seja, situações não previstas. Ensine que é possível guardar uma parte da mesada para um caso repentino (exemplo: a roupa da boneca preferida rasgou e ela precisa comprar outra; a bola caiu na casa do vizinho e não foi possível recuperar; ou seja, surpresas que não podem ser controladas). É importante que a criança compreenda que esse dinheiro guardado será empregado apenas em ocorrências fora da rotina.

Poupar para adquirir bens

Essa é a velha história do porquinho de moedas. Nesse ponto, a criança não estará lidando com uma situação imprevista, mas sim com algo planejado. Devem ser pequenas coisas e que caibam no orçamento limitado das crianças. O grande objetivo aqui é a compreensão de que, para conseguir bens futuros, ela precisa fazer algum sacrifício no presente. Você pode explicar exemplificando a compra de um brinquedo – caso ela queira um brinquedo “x”, não poderá gastar toda a mesada durante o mês. Aqui é possível desenvolver também a consciência de investimento a longo prazo – é possível ensinar que ela pode guardar R$10,00 por mês durante alguns meses para comprar um brinquedo no final do ano.

É importante lembrar que, mesmo que os pais possuam uma boa situação financeira que permita pagar pelos desejos dos filhos, é essencial criar essa consciência de que o dinheiro deve ser administrado para obter resultados positivos.

Com o passar do tempo, as estratégias devem ser adaptadas ao novo nível de consciência. A tornar-se adolescente, já é possível apresentar situações um pouco mais complexas, tais como taxas e empréstimos. É essencial demonstrar ao seu filho opções diversificadas no mercado financeiro – os bancos cobram taxas de juros altas e, em contrapartida, remuneram com juros baixíssimos quem deixa o dinheiro em determinados investimentos. É preciso pensar bem antes de investir.

O Bullla é uma ótima alternativa caso queira investir, pois dispõe de excelente taxa rentável. Além disso, para quem necessita de crédito, possibilita empréstimos entre pessoas físicas com juros baixos. As operações são 100% online e seguras. Clique aqui e saiba mais.